quarta-feira, 15 de julho de 2015

Emoções






Por Kel.

"Uma emoção, em geral, representa um padrão de pensamento amplificado e energizado. Por conta da carga energética quase sempre excessiva que ela contém, não é fácil, a princípio, termos condições para observá-la. A emoção quer assumir o controle, e quase sempre consegue, a menos que você esteja presente e alerta. Se você for empurrado para uma identificação inconsciente com a emoção, ela se tornará, temporariamente, "você". É comum se estabelecer um círculo vicioso entre o pensamento e a emoção porque um alimenta o outro. O padrão do pensamento cria um reflexo amplificado de si mesmo na forma de uma emoção, fazendo com que a frequência vibratória desta permaneça alimentando o padrão de pensamento original. Ao lidar mentalmente com a situação, acontecimento o pessoa que é identificada como a causadora da emoção, o pensamento fornece energia para a emoção, a qual, por sua vez, energiza o padrão de pensamento, e assim por diante.
Basicamente, todas emoções são modificações de uma emoção primitiva não diferenciada, cuja origem é a perda da percepção de quem somos por trás do nome e da forma. É dificil encontrar um nome que descreva essa emoção primitiva. A palavra "medo" é muito próxima, mas, além do sentido de ameaça permanente, ela pode ser entendida como  um profundo sentimento de abandono e incompletude. Por isso, talvez, seja melhor usar uma palavra que não se confunda tanto com aquela emoção básica e chamar isso simplesmente de "sofrimento". Uma das principais tarefas da mente, uma das razões da sua atividade incessante, é a de combater ou eliminar o sofrimento emocional, embora ela invariavelmente só consiga encobri-lo por um tempo. De fato, quanto mais a mente tenta se livrar do sofrimento, mais ele aumenta. A mente nunca pode achar a solução, nem pode permitir que encontremos a solução, porque é, ela mesma, uma parte intrínseca do "problema". Imagine um chefe de polícia tentando achar um incendiário, quando o incendiário é o próprio chefe de polícia.Não nos livraremos desse sofrimento enquanto não extrairmos o sentido de eu interior da identificação com a mente, ou seja, o ego. A mente é, então, derrubada da sua posição de poder, e o Ser se revela em si mesmo, como a verdadeira natureza da pessoa.
Pág. 31/32 - livro O PODER DO AGORA - Eckhart Tolle

Por isso a importância dessas máximas ditas por Cristo:

"Conhece-te a ti mesmo"

"Orai e vigiai"

"Não julgueis"

Nós sabemos apenas em partes a "verdade" da vida, nosso "Ser" ou "Alma" trás essa verdade gravada em si, porém a outra parte da "verdade" é encoberta pela nossa percepção da vida, do mundo, a outra parte podemos chamar de "Mente", "Ego" ou "Carne".

Para entrarmos no reino dos céus, ou se unir ao todo e vivermos em plenitude sem sofrimento, precisamos aprender o caminho e passar pela tal "porta estreita".

O caminho é esse, permitir que o "Ser" o próprio Deus se manifeste através de nós e que seja feita a vossa vontade e não a minha.

É simples o que não quer dizer que seja fácil...rs

Pra mim entender tento raciocinar dessa forma: Pensamento, gera sentimento, gera ação que gera reação.

Quanto mais eu observar a mim, sem tentar controlar, vou conseguindo me conhecer melhor e com o passar do tempo discernir o que é a minha vontade "Ego" e qual a vontade de Deus "Ser".

Quanto mais eu consigo permitir fluir a vontade de Deus, menos o sofrimento toma conta da minha vida.

Fiquem com Deus e obrigada por me permitirem reaprender como estar presente.

Namastê (O Deus que habita em mim saúda o deusDeus que habita em você)

6 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. refletindo... mas segundo a psicologia junguiana penso que sentimento e pensamento são duas polaridades de uma mesma função psíquica nos indivíduos, sendo uma a função principal e outra auxiliar, assim, que é pensamento tem um pouco de dificuldade de se relacionar pelo sentimento e vice versa. já leu sobre os tipos psicológicos junguianos?!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assisti uns vídeos interessantes no you tube....mais por curiosidade e nem tanto estudo....não seriam as polaridades razão e emocão? O pensamento quando solto e não raciocinado....talvez seja como um barco a deriva....e quando conseguimos estar presentes e observamos....tomamos o leme na mão...

      Excluir
    2. a questão é que nem sempre basta observar e entender para tomar o leme... observamos mas as armadilhas estão sempre lá pra nos tirar da rota. sempre há algo oculto que nos trai...

      Excluir
    3. ah, as polaridades é emoção e pensamento mesmo (na psicologia), acho que porque a palavra "razão" tem outra dimensão...

      Excluir
    4. Há..sim...sempre há algo oculto que nos trai...eis o desafio...descobrir e superar esse "algo oculto"...obrigada pela explicação ;)

      Excluir